Você sabe o que é uma afta?


Ferida das mais incômodas da boca, a afta é extremamente comum. Ela ataca preferencialmente a mucosa interna do lábio, das bochechas e da língua. É preciso um pouco de paciência e realização de tratamentos paliativos sobre ela, para aliviar os sintomas e esperar ela passar.
 
O nome chique da Afta é Ulceração ou Estomatite Aftosa Recorrente. À grosso modo, podemos dizer que a mucosa da boca é formada por duas camadas superficiais: a epitelial que serve de proteção e a camada de tecido conjuntivo onde encontramos bastante irrigação sanguínea e terminações nervosas. Quando há uma erosão dessa camada epitelial protetora e exposição do tecido conjuntivo logo abaixo, chamamos de úlcera ou ulceração. Sim! Essa úlcera acontece no seu estômago também, por outros motivos, mas é uma ferida com exposição de tecido muito vascularizado e com terminações nervosas. Por isso que dói e incomoda bastante.
 
O problema é que a Afta pode ter várias causas, algumas ainda desconhecidas pela ciência. Quando isso acontece, dizemos que a condição é idiopática, isto é, sem etiologia definida. Mesmo assim, sabemos que ela tem relação forte com o sistema imunológico ou com doenças sistêmicas e algumas manifestações virais
 
As Aftas podem aparecer por vários motivos:
 
- Traumas de mastigação, de escovação ou queimaduras – Quem nunca mordeu a bochecha sem querer? Ou a língua? A mordida fere a mucosa, expondo o tecido conjuntivo citado acima. Essas feridas são aftas por trauma. Podem aparecer também quando comemos alimentos muito quentes (cuidado com os recheios quentes) ou ainda por queimaduras químicas.
 
- Estresse emocional – A afta tem grande relação com o nosso emocional. Quadros depressivos, momentos difíceis de nossa vida podem gerar feridas como estas.
 
- Doença de Crohn´s, Colite Ulcerativa, Diabetes, Pacientes em tratamento para o câncer ou portadores de HIV – São doenças sistêmicas que acabam produzindo aftas na boca. A boca seca da Doença de Chron´s, por exemplo, facilita a erosão epitelial e exposição do tecido conjuntivo. Quem não controla o diabetes também apresenta esse sintoma de boca seca que chamamos de xerostomia. Os portadores de HIV têm sua imunidade comprometida e podem ter aftas recorrentes na boca, também.
 
- Alterações hormonais - A mulher passa por inúmeras alterações todos os meses com a menstruação. Depois da menopausa, também pode ser comum o aparecimento maior das aftas.
 
- Deficiências alimentares e falta de vitaminas - Mais um motivo para você ter uma alimentação equilibrada. A falta de ferro, ácido fólico e da vitamina B12 pode ser uma causa das feridinhas indesejáveis na boca.
 
- Alimentos muito ácidos - Isso varia de paciente para paciente. Tem gente que não pode comer um abacaxi que logo depois apresenta várias aftas. Se esse for o seu caso, o jeito é evitar frutas muito ácidas.
 
- Alterações gástricas - A boca faz parte do nosso sistema digestório. Alterações mais lá embaixo podem ter manifestações aqui em cima, na boca. 
 
- Infecção viral prévia - Alguns autores de estudos relacionam algumas infecções virais com o aparecimento das aftas.
 
- Baixa imunidade - Momentos de resfriado, gripe ou doenças que deixam o nosso sistema imune para baixo podem fazer com que as ulcerações apareçam.
 
- Logo depois de aplicação de anestesia - Em alguns casos temos o aparecimento de aftas ao lado da picada da anestesia. Uma reação chatinha do organismo àquele pequeno ferimento. 
 
E o tratamento?
 
Aí depende. Na grande maioria dos casos citados acima, a afta se resolve sozinha. Esperar de 4 a 15 dias faz parte. Existem dentistas que optam pela cauterização da úlcera em casos mais graves e incômodos. Outros optam pelo simples controle com pomadas tópicas. Porém, o mais importante de tudo é o correto diagnostico da lesão por um dentista. Por isso, se as aftas estiverem crônicas, causando muito incômodo, vale à pena investigar junto com um dentista quais poderiam ser as causas dessas manifestações.

Fonte: 
dicasodonto.com.br